Mundo Informatico

Um Mundo sem fim


VideoJogos podem ter efeitos benéficos nas crianças


Os jogos de vídeo são recorrentemente associados a maus resultados escolares e ao desenvolvimento de alguma agressividade nas crianças. Mas, ao contrário do que se pensa, até podem ter um resultado bastante benéfico no desenvolvimento dos jovens, segundo um estudo agora publicado.

image6

Segundo um estudo recente, o uso de videojogos está associado a melhores resultados escolares e a menos problemas de relacionamento com os colegas. Para este estudo, foram analisadas 3000 crianças, entre os seis e os onze anos, pertencentes ao projecto School Children Mental Health Europe, tendo sido analisada a quantidade de tempo gasta com jogos de vídeo e a saúde mental e as capacidades sociais e cognitivas de cada criança. Os resultados obtidos foram posteriormente publicados no journal Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology.

image7

Para a obtenção dos resultados, foi pedido aos pais e os professores que avaliassem a saúde mental dos menores através de um questionário e foi pedido a cada criança que respondesse a algumas questões através de uma ferramenta interativa. Além destes factores, foram ainda analisados os desempenhos escolares de cada um dos participantes do estudo. Depois de ajustados os dados, os investigadores concluíram que o uso de videojogos está associado a 1.75 vezes a probabilidade de uma função intelectual superior e 1.88 vezes a probabilidade de maior competência escolar.

image8

Para os investigadores, os videojogos representam uma atividade de lazer normal de uma criança em idade escolar, tendo os resultados demonstrado que as crianças que jogam frequentemente têm maior coesão social com os colegas e maior integração na comunidade escolar. Para finalizar, os investigadores avisam que, embora o uso de videojogos seja positivo, uma das principais componentes para o sucesso escolar continua a ser a responsabilidade dos pais em definir limites para o tempo que a criança passa em frente ao ecrã.

E os seus filhos, têm uma convivência saudável com os videojogos?